Reflexões da ordem do discurso

O uso da linguagem, mais do que representação de ideias, é ação. Discurso é o uso da linguagem como instrumento de atuação social em situações específicas de comunicação e com determinadas intenções. Seu sentido também tem relação com os conhecimentos de mundo dos interlocutores, constituídos culturalmente, adquiridos por experiências pessoais e projetados nessa interação. OContinuar lendo “Reflexões da ordem do discurso”

Frame

Nesta época do ano, quando lemos ou ouvimos a palavra “Natal”, memórias, emoções, símbolos e pensamentos múltiplos despertam em nossa mente, não é verdade? Vêm à tona conhecimentos prévios, que construímos durante a vida, relacionados a esse tema. Os modos como nossos conhecimentos prévios são ativados como suportes para a realização de inferências e aContinuar lendo “Frame”

Narrativa do eu

Se aprecias Literatura, é provável que já tenhas acompanhado um narrador autodiegético, uma personagem que vivencia e narra sua história. A narrativa em primeira pessoa acarreta importantes consequências ao relato, decorrentes do conhecimento restrito do narrador sobre os eventos narrados. O narrador autodiegético apresenta visão parcial e limitada dos fatos, na qual preponderam suas impressõesContinuar lendo “Narrativa do eu”

Aspectos sobre a interpretação

Recente pesquisa sobre o indicador de analfabetismo funcional no Brasil apontou que 29% da população não conseguem interpretar adequadamente o que leem. Ressalte-se que as dificuldades de quem lê também estão relacionadas às dificuldades de quem escreve. Três importantes aspectos sobre a interpretação ilustram essa questão: a ambiguidade, a pressuposição e o subentendido. A ambiguidadeContinuar lendo “Aspectos sobre a interpretação”

Fala e diversidade

Ferdinand de Saussure, considerado o pai da Linguística, estabeleceu a distinção entre langue (língua) e parole (fala). A língua é um sistema, um conjunto de formas que se combinam segundo regras e em diferentes níveis estruturais. A Fonética observa o nível fonológico e a produção dos sons articulados para a comunicação. Seu objeto de estudoContinuar lendo “Fala e diversidade”

Precursor da poesia satírica

O poeta barroco baiano Gregório de Matos Guerra é precursor e expoente da poesia satírica brasileira. Seus poemas contêm críticas corrosivas aos valores e estamentos sociais do Brasil colonial e recorrem às antíteses para retratar as contradições da Salvador do século XVII. O mercantilismo internacional promovia a criação de mercados consumidores de artigos supérfluos eContinuar lendo “Precursor da poesia satírica”

Nossa literatura de cordel

Diferentemente dos cordéis portugueses, escritos e lidos por pessoas das camadas médias da população, o cordel nordestino surge, no final do século XIX, como manifestação cultural das classes sociais mais pobres, principais responsáveis por sua produção e disseminação no Brasil. Com suas peculiaridades de reprodução escrita e oral, a literatura de cordel torna-se emblemática naContinuar lendo “Nossa literatura de cordel”

Língua e preconceito

A Linguística é a ciência que estuda a língua e seus usos. O conhecimento da língua não se restringe às regras padronizadas pela Gramática tradicional. Conforme Mário Perini, as convenções sociais exigem que escrevamos em um padrão de língua (o Português na norma culta socialmente privilegiada), embora falemos, informal e cotidianamente, fora desse padrão. AContinuar lendo “Língua e preconceito”

Alternativa ecossocialista

O capitalismo é um sistema fundamentado na divisão de classes, na desigualdade social, na exploração do trabalho humano para o enriquecimento de uma elite dominante. Não é por acaso que essa elite, que equivale a 1% da população global, concentra montante de fortuna e bens igual a dos outros 99% da humanidade. Sob a vigênciaContinuar lendo “Alternativa ecossocialista”

Se a pandemia…

Se a pandemia levar o mundo a pensar sobre este ritmo insano de vida em que os desejos de consumo e de acúmulo de riquezas geram tanta desigualdade social e transformam bilhões de pessoas em mercadorias à disposição de alguns poucos, para concentrarem fortunas que perduram por gerações, as quais, se distribuídas, elevariam a existênciaContinuar lendo “Se a pandemia…”