Traços estilísticos da linguagem em “Reinações de Narizinho” (1)

Em artigo anterior, foi rememorada a importância do escritor José Bento Renato Monteiro Lobato, considerado precursor e um dos expoentes de nossa literatura infantil. Sua obra-prima, Sítio do Pica-pau Amarelo, encanta gerações de leitoras e leitores e marca o início de uma autêntica produção literária para o público infantojuvenil brasileiro. Independentemente das atuais revisões críticasContinuar lendo “Traços estilísticos da linguagem em “Reinações de Narizinho” (1)”

Bandeira e os sinos

A beleza na simplicidade é uma das principais características do lirismo do poeta pernambucano Manuel Bandeira. Ela pode ser observada, exemplarmente, no poema Os sinos, cujos versos despertam a rica potencialidade sugestiva oferecida por palavras comuns. A pesquisadora e professora Norma Seltzer Goldstein destaca, nesse poema, a utilização da figura de efeito sonoro denominada onomatopeiaContinuar lendo “Bandeira e os sinos”

“Bora” pra Pasárgada

O pernambucano Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho, um dos grandes poetas brasileiros, destacou-se pela sua imaginação criadora, caracterizada pelo crítico literário Domício Proença Filho como “capacidade de criar mundos imaginários e de acreditar na realidade dos mesmos”. Em um de seus principais poemas, Vou-me embora pra Pasárgada, Manuel Bandeira cria um reino imaginário aContinuar lendo ““Bora” pra Pasárgada”

O tamanho do poeta

A poesia de Manuel Bandeira, poeta modernista da primeira metade do século XX, tem a subjetividade como traço essencial. De acordo com o crítico literário Domício Proença Filho, é através da subjetividade que o escritor “traz à tona o seu mundo interior, com plena liberdade”. Assim, Bandeira fundamenta seu lirismo como expressão da subjetividade humanaContinuar lendo “O tamanho do poeta”

Aproximações entre Augusto dos Anjos e Cruz e Sousa

No período de transição do século XIX para o século XX, a literatura brasileira sofreu influências dos movimentos de vanguarda da arte moderna europeia. No Brasil, uma classe média emergente assumia valores tipicamente burgueses, entre eles a valorização da intelectualidade. A maioria dos autores seguia essa tendência. Conforme o crítico literário José Guilherme Alves Merquior,Continuar lendo “Aproximações entre Augusto dos Anjos e Cruz e Sousa”

Entre versos e guerras

Na passagem do século XIX ao XX, despontaram, na Europa, movimentos de vanguarda artística e diversificadas estéticas em reação e adaptação às transformações e rupturas de valores que organizavam a sociedade. Avanços científicos e tecnológicos prenunciavam um futuro de evolução e emancipação, mas vivia-se época de exploração humana e ampliação de desigualdades sociais, condições queContinuar lendo “Entre versos e guerras”

Tendências hegemônicas na constituição da poesia moderna

No início do século XX, mais especificamente entre 1900 e 1914, período antecedente à Primeira Guerra Mundial , desenvolviam-se importantes movimentos de vanguarda artística na Europa cujas estéticas, posteriormente, consolidariam as características da denominada Arte Moderna. Na Literatura, as tendências dominantes eram o Simbolismo, o Futurismo, o Expressionismo e o Cubismo. O Simbolismo surgiu naContinuar lendo “Tendências hegemônicas na constituição da poesia moderna”

Abril de livros e crianças

Nos dias 2 e 18 de abril, são celebrados o Dia Internacional e o Dia Nacional do Livro Infantil. A data nacional homenageia o escritor paulista José Bento Renato Monteiro Lobato, nascido em 18 de abril de 1882, há 140 anos. Monteiro Lobato é considerado precursor e um dos expoentes de nossa literatura infantil. SuaContinuar lendo “Abril de livros e crianças”